sábado, 5 de fevereiro de 2011






Deixei os sonhos caídos pelo chão
Disse-te adeus e parti
Fragmentei o coração
Queimaram-me
As lágrimas que verti.
Jurei não amar,
Para estar proibida de sonhar.
O tempo não te apagou,
Mas a alma apaziguou
E agora voltas
Imploras amor ou paixão
Escreves frases criadouras de ilusão.
Dás-me o corpo, a vida e o olhar
Na troca da minha entrega
Apanhando do chão
O sonho caído e mergulhado...
Em toques de louca paixão.


Garça Real




15 comentários:

Phoenix disse...

é tão difícil desistir por completo de alguém...
gostei imenso.
beijinho**

Pena disse...

Estimada Poetiza Amiga e Brilhante:
Um terno e delicioso poema de amor, como só VOCÊ consegue fazer.
Fantástico. Adorei.
Está pleno de encanto e ternura.
Parabéns sinceros, apesar de que o seu brio pessoal já não causar admiração porque escreve com beleza e pureza de si enorme e gigante.
Abraço de amizade ao seu talento.
Bem-Haja, pela lindíssima visita ao mmeu blogue.
Sempre a admirá-la com fascínio pelo que cria com deslumbre.

pena

Bem-Haja, extraordinária poetiza amiga.
É fabulosa.
Gostei imenso.

Solange disse...

será que vale a pena, mesmo depois de a alma estar apaziguada?

bjs.Sol

Multiolhares disse...

complicada a vida, mas para mim quando os cristais foram estilhaçados por mais que se colem jamais podem ter a beleza de outrora
Bj

Paulo disse...

Gostei, apaziguada a Alma e no desapego que surgiu, disseste adeus. Fez toda a diferença deixar de ser a Mulher que precisava de um Homem, para ser a Mulher que um Homem precisa!

Beijinho doce ^_^

sonho disse...

Porque é que voltam...quando nos já estamos a partir???
Beijo d'anjo

O Árabe disse...

Belo texto, que me traz uma inquietante pergunta: pode-se reviver os sonhos? :) Boa semana.

Luís Coelho disse...

Existem momentos em que acordar é doloroso. Principalmente quando desprezaram os nossos sonhos.

Não é fácil caminhar guardando recordações amargas, mas os grandes amores também tiveram as suas contrariedades e aprenderam a amar perdoando e a outra parte doando-se em amor para retribuir os erros passados.

Penso que todos falham e que a grande capacidade do amor é perdoar e corrigir.

Sonhadora disse...

Minha querida

Belo como sempre o teu poema.
Por vezes por mais que tentemos fugir do que nos faz mal...nos causa dôr, o sentimento faz-nos sempre voltar...sonho ou realidade...agarramos o tempo.

Beijinho com carinho
Sonhadora

A.S. disse...

No Lago Real, os sonhos não morrem! Renascem em forma de belos poemas!...


Beijos...
AL

Dreamaster disse...

OLá menina. desculpa a minha ausencia mas tenho estado um pouco adoentado. Coisas da epoca.

Sempre q posso tento vir aqui dar uma olhadela :)



Bejinhos
D.

Eduardo Aleixo disse...

Poema muito belo, mas triste.
Beijo

Eduardo Aleixo disse...

Comentei, mas nada apareceu. Enganei-me el algo. Repito que adorei o poema, é lindo, embora triste. Beijos.

Pena disse...

Oh, Divinal Poetiza Amiga:
"...Mas a alma apaziguou
E agora voltas
Imploras amor ou paixão
Escreves frases criadouras de ilusão.
Dás-me o corpo, a vida e o olhar
Na troca da minha entrega
Apanhando do chão
O sonho caído e mergulhado..."

"Isto" é de uma ternura e deslumbre imenso e mágico mesmo em relação a um amor incompreendido que regressa.
Fascinam. os seus extraordinários versos.
Bem-Haja, pela visita linda ao meu blogue.
Abraço amigo pela beleza do seu versejar doce e maravilhoso.
Sempre a admirar, com respeito, o que faz de encantar.

pena

MUITO OBRIGADO pela sua amizade preciosa.
Majistral de pureza.
Adorei.

O Árabe disse...

Boa semana, amiga. Aguardo o novo post. :)