sexta-feira, 28 de agosto de 2009





Deito-me sonolenta sobre o entardecer
O corpo amortecido pinga a solidão
Meu olhar ausente,
Não cabe na palma da mão
Abandonou o presente,
Na viagem da desilusão.
O sonho não sonhado
Morreu triste pois ao nascer foi apagado.
A vida sublima o desejo tentador
De despoletar o âmago para a liberdade
A Garça voa sem esplendor
Apenas em gesto de fraternidade.
De vez em quando acorda do seu torpor
E deixa tombar aqui e ali...
Gotas limpidas feitas de laivos de amor.




Garça Real





21 comentários:

poetaeusou . . . disse...

*
voa
renascida garça
abandona a solidão,
canta o sonho
do esplendoroso estio,
celeiro do amor
no esperado outono
prenuncio de serenos amares,
,
voos de liberdade
em marés pilipiantes
envolvendo a menina garcinha,
deixo,
,
*

Dreamaster disse...

Mesmo comovente e com uma imagem muito bela acompanhar.

Que o esplendor regresse há Garça e de sonhos podes ir lá pedir alguns emprestados ;)

Bom fim de semana.

Beijos pra minha menina poeta
D.

MEU DOCE AMOR disse...

Então está bem viva essa Garça...e e eu que o diga...e voa,voa,voaaaaaaaaa...mais livre do que nunca!

Um beijinho doce:)

gaivota disse...

as garças voam, ligeiras, buscam os seus cantos...
livres de asas aberta até ao teu lago real
lindo poema
beijinhos

Mário Margaride disse...

Mais um lindíssimo poema, querida amiga.

Tem um excelente fimde semana!

Beijinhos

Mário

SONHADOR disse...

Oh, que Garça tão triste!!!
Tão comovente...

lua prateada disse...

E é assim amiga no lago real da ilusão nós vamos passando tão rápido pelo mundo com tanta indecisão...
Beijinho prateado

SOL

Eärwen Tulcakelumë disse...

Que a solidão que se apresenta
em teu peito não mais encontre guarida
saiba que não andas só Garça querida

Pérolas incandescente de companheirismo entrego em tuas mãos.

Eärwen

Sofá Amarelo disse...

A Garça dá sempre um ar da... sua graça...

Boa semana! Muitos beijinhos!!!

Pena disse...

Estimada e Notável Amiga:
Um poema delicioso. Muito belo e admirável saído dos confins da sua Alma sensível e doce.
"...Meu olhar ausente,
Não cabe na palma da mão
Abandonou o presente,
Na viagem da desilusão.
O sonho não sonhado
Morreu triste pois ao nascer foi apagado.
A vida sublima o desejo tentador.."

Uma atitude que apesar da dor de amor se explica pela pureza de si, com brilhantismo e ternura.
OBRIGADO.
Beijinhos amigos.
Adorei! Fantástico.
Com respeito e estima.

pena

É linda, sabia? Muito.

O Árabe disse...

Belo poema, amiga! No vôo da Garça, sempre existe o esplendor. :) Boa semana!

Rafeiro Perfumado disse...

Não entendo poesia, mas sei do que gosto, e gosto deste texto.

Beijoca.

Anónimo disse...

BASTA.

Eu vi
Quando li
A primeira
das palavras...

Um espaço gigante...
Entre incautos amantes...
Inconformados em seus espaços...
Atados por entrelinhas de tudo que reli.

Se volto a navegar nesse mar...
Encontro ares de esperança no ar...
Entre tantos encontros e desencontros...
Basta-me só esta magia de encontrar você.

preto [e] branco disse...

Um sentir triste por um momento que foi vivido e se requer renascido, mas...apesar de tudo, pelas tuas palavras e sua forma poética...um momento lindo.

bj...nho

Maria Valadas disse...

A Garça, voa e acorda em todo o seu esplendor!

Soberbo poema!

Após quase um mês de ausência... aqui estou entre os que sentem o sentido das palavras.

Beijo meu.

Vento disse...

No teu pensamento o voo é infinito.

Beijo

Nilson Barcelli disse...

Mas a Garça tem que recuperar depressa o fulgor do seu voo...
Poema tristinho minha querida amiga... mas muito bom.
Bom fim de semana, beijo.

Multiolhares disse...

Quando a Garça descobrir que ela é o verdadeiro amor, que quando pousa no lago calmo da vida todos os olhos pousam na sua beleza no seu encanto, quando a garça entender a importância suprema que vem do seu ser, ela vai poder voar...voar...voar

beijinhos

Pena disse...

Doce e Sensível Poetiza Amiga:
VOCÊ fascina pela beleza e pureza dos seus versos admiráveis, quer na tristeza, quer na alegria.
"...Deito-me sonolenta sobre o entardecer
O corpo amortecido pinga a solidão
Meu olhar ausente,
Não cabe na palma da mão
Abandonou o presente,
Na viagem da desilusão.
O sonho não sonhado..."

Enternecedor por ser belo.
Adoro "passear" aqui.
Tem um sentimento mágico de pureza e beleza imensa nos versos que confecciona.
Fabulosos!
Beijinhos amigos.
Com respeito e estima

pena

É uma honra ímpar lê-la.
Fica-se maravilhado...



Linda!

Vento disse...

Há sonhos que não devem ser sonhados de modo a evitar desilusões desnecessárias.

Beijo

gaivota disse...

vinha espreitar as novidades deste lago real... e vou saindo, para os açores! outros lagos, outros mares!
beijinhos