sexta-feira, 17 de outubro de 2008






Ao som desta música perdida no tempo
As recordações envolveram o sentir
As imagens afloraram em claridade
Apareceu escrita a palavra saudade.
Ao de cima vieram recordações
Que habitavam num secreto canto,
Estavam cobertas com negro manto
Escondendo a tragédia de um dia já amortecido
De lágrimas tombadas, de coração partido,
Que te ceifou a beleza do viver
Deixando um rasto profundo de sofrer.
Apagou-se a espantosa beleza do teu porte
De um sorrir eterno
Ceifado na exuberância da vivência
Que trazia gravada
A indelével marca da morte.


Garça Real





24 comentários:

poetaeusou . . . disse...

*
saudade,
a nostalgia da memória
nos sentires queridos,
a inevitável espera
num manto profundo
numa curva cravada
nas rectas da vida . . .
,
brisas suaves,
para o grndelago,
,
*

gaivota disse...

que lindo poema, garça, quanto te inspirar no teu lago, encantado, por certo...
memória recordando ou recordações na memória...
beijinhos

Dreamaster disse...

Epá, este poema é muito pesado menina. São já os efeitos de mudança de estação?

Espero q o teu fim de semana seja mais light ;)


Bejus
D.

MEU DOCE AMOR disse...

Ai ...

Beijinho doce e bom fim de semana

Multiolhares disse...

é sempre dificil ver partir quem amamos
são sempre duras as lemvranças das partidas
beijinhos

O Árabe disse...

morte... tema de nossos temores, pausa obrigatória em nossa Vida. Belo poema, amiga! Bom fim de semana.

Sininho disse...

Querida Garça Real, achei o poema triste. Espero que não perca a beleza de viver e não esteja a sofrer. A saudade dói mas não perca as forças para sorrir, sim linda amiga? A vida é bela!
Bom fim-de-semana com muito carinho, paz e alegria no seu coração.
Deixo-lhe aqui muitas estrelinhas cintilantes para iluminarem este seu cantinho com muito carinho.
Beijinhos e abraço meiguinho.

Flash disse...

Vai ao meu blog e apoia a minha candidatura!

www.aternurados40.blogspot.com

Obrigado!

tulipa disse...

Fui ao Porto
o tempo voou
a chuva não ajudou
mas eu senti o Outono
pelas ruas da cidade.

Arrastava folhas secas
e eu soube
que tinha chegado de mansinho
para não assustar ninguém.

Pombas nas árvores
escondidas
cores vivas nos ramos;
Trazia memórias
de céus carregados
de nuvens.
Foi bom...eu adorei!

Bom domingo.

Mário Margaride disse...

Querida Garça,

Este triste, mas lindíssimo poema, tocou-me, minha amiga...

Desejo-te um excelente domingo! Com tudo de bom.

Beijinhos doces

Mário

Beatriz disse...

Belo e triste poema, a nostalgia da música, um momento profundamente sentido. Meu carinho pra ti, meu anjo, e um raio de sol no teu coração.

ki-colado disse...

É preciso compreender que os acertos chegam bem mais com a experiência, e que as quedas são necessárias, para que amadureçamos, que levantar é preciso e obrigatório, e que a dor é a mão e as unhas do criador, a nos guiar para encontro da paz, do caminhar rumo ao bem.

Um grande beijo ao largo da paz.
Um bom começo de semana!

Saudações.

Menina do Rio disse...

Não vou justificar minha ausência, mesmo pq não caberia.
Adoraria ter estado por aqui, mesmo pq meu blog fez dois anos e eu nem estava aqui pra comemorar.
Quero apenas deixar meu pedido de desculpas, agradecer pelas visitas, pelo carinho, por tantos comentários e pela preocupação.
Mesmo que eu quisesse e me desdobrasse, não daria para fazer isso individualmente e terá que ser aos poucos.
Hoje quero apenas deixar um beijo e dizer que vou lendo-vos na medida do possivel.
Mil desculpas.
Estou de volta!
Um beijo imenso!

LuzdeLua disse...

Que triste amiga
Passando, deixo-te um beijo sabendo entender cada palavra
Bjs

Cadinho RoCo disse...

A saudade mexe mesmo com a gente.
Cadinho RoCo

Sunshine disse...

Ao som dessa música perdida na tempo ...

as tuas palavras são uma bela homenagem ... quisera eu que alguém um dia me recordasse assim com tanto carinho ...

Bjs com muiiiitooo carinho

Pena disse...

Maravilhosa Amiga:
A inconstante procura da perfeição dos sonhadores e pensadores da poesia extraordinária.
Entendo assim.
Adorei. Vá. Seja mais optimista, escreve com delícia do seu extraordinário sentir doce.
Então...!
Lindo: "...Que te ceifou a beleza do viver
Deixando um rasto profundo de sofrer.
Apagou-se a espantosa beleza do teu porte
De um sorrir eterno
Ceifado na exuberância da vivência..."

Mesmo na tristeza é terna e magnífica. Não! Não estou a brincar, acredite?
Beijinhos amigos de respeito, estima e admiração.
A perfeição numa perfeita pessoa (VOCÊ!)

PENA (MEMÓRIAS VIVAS E REAIS)
PETER PAN (CANTINHO DA TERRA DO NUNCA)
OBRIGADO, doce amiga. Brilhante poetisa.

Maria Clarinda disse...

Lindo este teu poema...com recordações, saudade, de dor.
Um jinho

Eärwen Tulcakelumë disse...

Ao som da música que embala o coração, dos versos que preenchem a alma digo a ti minha Amiga, a morte nunca é o fim, significa simplesmente que mudamos de plano, que completamos a nossa missão aqui neste orbe...
Fico um pouco aqui, observando as águas do Lago...

Pérolas incandescentes de força e paz entrego a ti.

Eärwen

Dreamaster disse...

Sexta feira passou
O tempo por aqui voou
e Você nada mais postou

;)


Beijo grande da terra dos sonhos
D.

Multiolhares disse...

Venho deixar um beijo de luar no teu lago

Beatriz disse...

Passando pra te deixar um raio de luar enfeitando os teus sonhos, e um beijo no coração.

Dias disse...

Oi

Sabes, acho que estás novamente a esforçar-te demais, a encher demasiado os espaços com "de´s", "as" e afins...

Ou então é o meu gosto pessoal que se incomoda demasiado :)

Olha, sopa nisso... que chatos estes gajos que so aparecem sabe-se lá quando e depois metem-se com coisinhas :)

O conteudo gera-me respeito, o respeito de qualquer dia que ceife em meu redor.

Gosto em particualr de "a tragédia de um dia já amortecido".

Beijo grande e ainda salgado, lago adentro!!

Continua, sempre.

OLHAR VAGABUNDO disse...

dor...no lago...

beijo vagabundo