domingo, 27 de janeiro de 2013








Bebia-te avidamente...
Como se fosses mistura de frutos exóticos
Saboreava-te lentamente
Em volúpias de cantos eróticos!
Bebia-te avidamente...
Qual miscelânea de sabores tropicais
Exalando o calor tórrido da paixão
Em danças quentes e sensuais,
Em que os sentires entram em colisão!
Num voo levado lentamente
Numa entrega de lábios sedentos
Em beijos longos e lentos
Tocava-te e...
Bebia-te avidamente.




Garça Real




12 comentários:

O Árabe disse...

Ah... a maravilhosa avidez do amor! Boa semana, amiga; belo texto.

poetaeusou . . . disse...

*
Amiga
,
que gostoso Cocktail,
que sublime Poção !
,
bebidos pilipares,
no RealLago,
deixo,
*

Humberto Baião disse...

esta melhor
esta poesia
já está mais depurada
mais despida
mais nua
mais ela
mais tu
:)
<3

Eduardo Aleixo disse...

Poesia sensual com sílabas quentes e doces. Gostei de ver a garça neste voo dengoso e lento. Beijinho.

O Árabe disse...

Boa semana, amiga; aguardo o novo post.

Nilson Barcelli disse...

A avidez do beber, vem da sede... e/ou do sabor da bebida... Muita sede e boa bebida, são um binómio explosivo...
Magnífico poema, gostei imenso.
Beijo, querida amiga.

A.S. disse...

Lábios de água com sede de fogo!...


Beijos,
AL

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Um lindo voo de sensualidade e entrega neste belo poema.Adorei como sempre.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

carlos ramos disse...

...Sim, gostei do que li. E gostei de voltar ao convívio perdido,já lá vão uns bons anitos...
Excelente semana - não tarda, volto!

carlos ramos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernando Santos (Chana) disse...

Belo poema...Espectacular....
Cumprimentos

poetaeusou . . . disse...

*
amiga
,
a sede continua no ar,
nunca a mitigues . . .
,
pilipares,
de alfaias e arados,
deixo-te nas margens,
do RealLago.