domingo, 3 de junho de 2012






A noite desafiou a madrugada,
Encostada à minha insónia teimosa
Sentada no leito em solidão
Com a alma nostálgica e desgastada,
Qual face carregada e chorosa
Mergulhei na profundeza da escuridão.
Senti como que o passar do corpo teu
Quente, atraente e envolvente
No toque dos teus lábios no corpo meu.
Cerrei os olhos e matei o olhar
Assim deixei de te ver
E na confusão do sonho com a realidade
Atirei-me para trás de mansinho
Mão sedenta do teu carinho
Senti que ia adormecer
Como se tivesses chegado... 
Para eu te tocar e te ter.



Garça Real





17 comentários:

Humberto Baião disse...

È de uma sensibilidade que se sente
Notável !!
Obrigado
bjsssssssssss

Solange disse...

esses sonhos estão sempre presentes em minhas noites...

bjs.Sol

Sonhadora disse...

Minha querida

Não esqueceste a volúpia, a fragrância do desejo, entre fráguas e a verdura...por entre a limpidez do murmúrio das águas. Por isso manténs as portas entreabertas e subsiste no teu colo uma rosa querendo abrir.

Beijinho com carinho
Sonhadora

O Árabe disse...

Sonhos... colorido das nossas vidas! Boa semana, amiga; belo texto!

Eduardo Aleixo disse...

Belo e quente e nostálgico poema de amor.
A tua sensibilidade poética é notável.
Um abraço.

CamilaSB disse...

Na solidão da noite, a poesia emerge
do sonho, nos versos de um belíssimo poema - melodioso e muito bem rimado!
Um beijinho e obrigada pelo carinho.

José disse...

Camas vazias, as noites mais frias, e as nostalgias de outros dias.
Beijo,
José.

CamilaSB disse...

Na solidão da noite a poesia emerge
do sonho... nos versos de um belo poema - nostálgico, melodioso e muito bem rimado... gostei imenso!
Um beijinho com carinho e amizade!

Multiolhares disse...

a insónia e a madrugada criam nostalgia no sentir
beijinhos

poetaeusou . . . disse...

*
querida amiga,
,
é teu o papel principal,
são tuas as palavras,
é de ti que sai,
a mesclada pureza dos sentires,
ditosa insónia . . . digo !
,
pilipares, muitos,
ecoando no real lago,
ficam,
*

Jota Effe Esse disse...

Foi um devaneio embriagador, Garça Real, que te levou a esse velo poema. Meu beijo.

A.S. disse...

É tão ténue a linha que separa o sonho da realidade...


Beijos,
AL

Humberto Baião disse...

:)

Humberto Baião disse...

:)

O Profeta disse...

Convido-te a conhecer um Homem de papel
Convido-te a olhá-lo num espelho de água

Boa semana

Mágico beijo

vieira calado disse...

Por vezes, de facto,
não sabemos bem onde começa e acaba a realidade...

Bjsss

CamilaSB disse...

Vim só deixar um beijinho, um :) e agradecer o carinho!